Loading...
Jornais / Revistas / TV 2017-10-27T15:36:55+00:00

A construção da base para o Marketing Político

Foi em Santos, no jornal A Tribuna, em 1967, que Chico Santa Rita começou sua carreira no jornalismo. Foi redator, editor de política e editor do Caderno da revista semanal Jornal da Praia.

Em 1968, Santa Rita transferiu-se para o Jornal da Tarde, assumindo as funções de editor de Variedades, editor gráfico e editor de 1ª. Página.

Permaneceu no JT até meados de 1970, quando assumiu como editor de texto, uma das mais importantes revistas da época, Realidade, na Editora ABRIL.

Ainda em 1970, Santa Rita fundou com um sócio, a SRM Publicações, agência de prestação de serviços no ramo editorial e publicitário. As atividades da SRM aconteceram até o ano de 1973.

Entre os trabalhos realizados encontram-se a cartilha A Nossa Cidade de São Paulo, material desenvolvido para a Secretaria do Turismo da Prefeitura de São Paulo; e o livro A Nossa Ilha para a Secretaria da Receita Federal – Ministério da Fazenda – trazendo para linguagem infantil o mundo da economia. Os dois trabalhos, produzidos com a supervisão geral de Chico Santa Rita alcançaram tiragens de milhões de exemplares; A Nossa Cidade distribuída na cidade de São Paulo e A Nossa Ilha distribuída em todo Brasil.

Nossa Cidade de São Paulo

A Nossa Ilha

Entre abril de 1971 e dezembro de 1972, a SRM editou e produziu a Revistinha Eletro-radiobraz. Com 120 mil exemplares de tiragem mensal, a revista foi distribuída gratuitamente na cadeia de supermercados que a patrocinou.

As Cabritinhas Briguentas

O Menino Que Achou Um Pedaço De Céu Vermelho

A SRM, sob a supervisão de Santa Rita, desenvolveu o Projeto SACI, que ofereceu material de acompanhamento das aulas de televisão e rádios educativos para o curso de capacitação do magistério. O projeto foi realizado em colaboração com o Ministério da Educação e Cultura e o Governo do Estado através da Secretaria de Educação.

Em 1973, Santa Rita voltou para a Editora ABRIL, assumindo a função de diretor geral (redação e publicidade) a revista Escola, com reportagens, noticiário e informações para os professores.

Durante os anos de 1975 e 1976, Chico Santa Rita exerceu a atividade de editor chefe executivo da revista Nova da Editora ABRIL. Paralelamente a essa atividade, escreveu alguns perfis de personalidades: Clara Nunes, Chico Buarque, Orestes Quércia e Ney Matogrosso.

Revista Escola

Revista Nova

Revista Homem

Em 1977, Santa Rita começou seu trabalho na televisão, como editor chefe do Bom dia São Paulo, na Rede GLOBO – SP. Foi o primeiro telejornal matinal e estava, naquele momento, em fase experimental.

Chico Santa Rita trabalhou na Editora ABRIL em cinco momentos: em 1978, dirigiu como coordenador geral o Departamento Central de Publicidade da Editora ABRIL, uma espécie de house agency, responsável pela promoção e propaganda de todas as publicações da empresa; criou e produziu projetos especiais em que a finalidade era ampliar os investimentos publicitários de grandes clientes;

Editou O mundo maravilhoso da aviação, trabalho dividido em oito fascículos, produzidos para a VASP. Os encartes foram distribuídos nas revistas VEJA e EXAME, em novembro e dezembro de 1978.

De 1979 a 1982, Santa Rita exerceu várias funções na REDE GLOBO, trabalhando no Rio de Janeiro, na Central Globo de Jornalismo, como:

– Editor chefe nacional do Jornal Hoje, estagiou uma semana na CNN, em Atlanta e trinta dias na ABC, em Nova York e em Washington;

– Coordenador de coberturas especiais, trabalhou nas produções da Copa do Mundo na Argentina, em 1978; na 1ª visita do Papa João Paulo II ao Brasil, em 1980; na cirurgia cardíaca do Presidente João Figueiredo, em Cleveland- EUA e nas eleições de 1982;

– Editor de notícias jornalísticas do Fantástico;

O Jornal Nacional da hora do almoço

” (…) Francisco Santarrita assumiu o cargo de editor-chefe do Hoje, em 1981, com a missão de mudar o perfil do programa e torná-lo mais noticioso, uma espécie de segunda edição do Jornal Nacional, com espaço para comportamento, artes e espetáculos. Vera Íris Paternostro e Luiz Gonzalez eram os sub-editores.

O telejornal investiu no lado hard news, e os repórteres ganharam mais destaque em matérias especiais. A contribuição das praças também foi ampliada. Carlos Campbell, de Brasília, e Sérgio Roberto, de São Paulo, entravam ao vivo.

As produtoras Edinete Mello, Lúcia Abreu e Vera Ferreira se encarregavam de definir as pautas e os assuntos que mereceriam reportagens especiais, além de fazer uma “ronda nacional” pelas praças para selecionar matérias frias para o terceiro bloco.

– Lígia Maria e Sônia Maria permaneceram como apresentadoras, ao lado de Leda Nagle e Berto Filho. A equipe de reportagem era formada por Leila Cordeiro, Glória Maria, Mariângela Medeiros, Andréa Gouveia Vieira e Ângela Teresa, entre outros. Pedro Bial editava o bloco cultural e Leda Nagle cobria espetáculos, música e shows.

O último bloco era local e fornecia a agenda com os shows e as atrações da cidade. (…) “
Fonte: memoriaglobo.com

O debate foi mediado pelo jornalista Antonio Britto, que falando em nome da Rede Globo, iniciou o programa declarando que a emissora tinha “a clara intenção de prestar um serviço; e a esperança de que o debate marcasse o reencontro ente o país e o Estado democrático.” O Sem Censura também apresentou o primeiro debate internacional ao vivo, diretamente de Washington, com brasilianistas e autoridades econômicas discutindo os rumos da economia brasileira.

Em 1983, de volta para a Editora ABRIL, Chico Santa Rita foi o responsável pela criação e edição de um livro para a SOUZA CRUZ, em que foram comemorados os 80 anos da história da companhia no Brasil. 80 anos de Brasil foi uma publicação em 08 fascículos, distribuídos com as revistas VEJA, números 764 a 771, de abril até junho de 1983. O livro conta a história de 80 anos do Brasil, narrado em formato jornalístico.

Outro material importante, desenvolvido por Santa Rita, para o Departamento Central de Publicidade, da Editora ABRIL, foi o Guia REAL de Férias, para o Banco Real, em formato de encartes, distribuídos em várias publicações da Editora Abril.

Em 1983, Chico Santa Rita foi diretor geral de programação da Abril Vídeo, ao lado do jornalista Luiz Fernando Mercadante, nas primeiras iniciativas desta rede que, na época, assumiu uma extensa programação nos horários noturnos da TV Gazeta de São Paulo. O programa São Paulo na TV – de três horas de duração, apresentava, analisava e comentava os assuntos do dia, em todas as áreas – da política ao futebol, da economia aos modismos de comportamento. Na bancada de apresentadores, Silvia Poppovic e Paulo Markun. Nas reportagens especiais, Helena de Grammont e Caco Barcelos. Nos comentários, os melhores especialistas em cada área.

Em 1984 fundou a TVT Produções, produtora de vídeos e programas de televisão, que se tornou umas das maiores do Brasil. No auge chegou a empregar mais de 200 profissionais.

Nos trabalhos da TVT destacam-se:

  • TV Mappin – um inovador programa semanal de venda eletrônica, que ficou na produtora, seis anos;
  • Vídeos institucionais – produzidos para dezenas de clientes. Dois vídeos foram premiados no New York Festival;
  • Comerciais de todos os tipos;
  • Programas de TV em parceria com João Dória Jr., para produção de todos os programas que a empresa dele comercializava, entre os quais Sucesso, Business e Flórida On Line;
  • Marketing Político – campanhas publicitárias para governos, programas eleitorais e produção completa de campanhas políticas.

Durante os anos de 1997 e 1998, Santa Rita foi presidente da PROPEG – CP, braço de marketing corporativo e político da agência, com uma parceria operacional.

Empreendimentos Comerciais

A capacidade de criação e realização de Chico Santa Rita pode ser conferida nas incursões empreendedoras que tem feito em paralelo à carreira de jornalista, publicitário e consultor em marketing político.

Foi 1973 que Chico Santa Rita iniciou a construção do Hotel da Cachoeira, em Penedo, Maciço de Itatiaia, município de Resende – RJ.

Em 1993 Santa Rita inaugurou, em parceria com uma sócia, o Hotel da Fazenda Dona Carolina em Itatiba, São Paulo, considerado um dos melhores hotéis – fazenda do Brasil.
E em 2004, Santa Rita transformou um hobby em negócio: iniciou a produção da sua própria cachaça, na Cachaçaria Dona Carolina.

      1. – Em 2010 CSR vendeu sua participação na FDC Empreendimentos.
      2. – Em 2017 CSR começa uma nova atividade: transforma-se em produtor de vinho no Douro, Portugal ao adquirir uma pequena Quinta.